O terrorismo tem lado

O terrorismo tem lado

O terrorismo tem lado

Por Caetano Patta*

Na última segunda feira, 29, um sequestrador armado manteve um funcionário como refém na sacada de um hotel em Brasília. Não se tratava de crime comum: aos hóspedes, fora anunciado um “ato terrorista”. Exposto na sacada do décimo terceiro andar, o sequestrado vestia um colete com supostas bananas de dinamite; o sequestrador ostentava o detonador e um revolver. Segundo as primeiras informações, todas as falas do terrorista tinham relação com política e ele pedia, entre outras coisas, “a queda da Dilma”.

As motivações do ato, no entanto, logo perderam espaço nos portais de internet e nos canais de televisão. Restava ali um episódio nonsense. Afinal, quando a sociedade se depara com uma negociação que envolve reféns e bombas, o óbvio não seria informar o que está sendo negociado? Mas esta informação foi sonegada. No começo da tarde, os portais do Estadão e da Folha publicavam atualizações que já não faziam menção clara às motivações do “terrorista”. Sonia Abrão, na Rede TV, e Luiz Bacci, na Band, faziam o mesmo, na programação que mostrava em tempo real a movimentação na sacada do hotel. Apresentado como loucura de um louco, o ato do terrorista foi esvaziado de sentido.

A grande mídia tentou esconder a motivação do ato. Tentou esconder porque as motivações são as mesmas que as suas: trata-se de um fanático anti-petista, embriagado pelo senso comum. A “agenda” do tal terrorista reunia a extradição do ex-ativista italiano Cesare Battisti, a saída da presidenta Dilma Rousseff e a aplicação plena da Lei da Ficha Limpa.

Ironicamente, na véspera do segundo turno de 1989, há 25 anos, no desfecho do sequestro de Abílio Diniz, os sequestradores do empresário foram associados ao PT por toda a mídia. A farsa é ainda maior: na ocasião, os sequestradores afirmaram que os policiais civis os vestiram com camisas do PT antes que fossem apresentados às câmeras de televisão que aguardavam na porta do cativeiro. O episódio serviu para enfraquecer o então candidato Lula da Silva, que foi mostrado e visto como “companheiro” de sequestradores. Já em dezembro de 89, após a vitória de Collor, todo e qualquer envolvimento do PT foi descartado pelas investigações. Mas o estrago já estava feito.

Desta vez, a associação entre o crime e a política nacional não é uma farsa. O crime é motivado pelo fanatismo político referenciado nas disputas de nosso país. E não se trata de fanatismo de esquerda, dos cubanos, dos bolivarianos, do PT ou do Foro de São Paulo. Se trata do fanatismo do horário nobre, de Arnaldo Jabor e Danilo Gentili, do fanatismo dos “cidadãos de bem”, de Jorge Bornhausen e Álvaro Dias. Enfim, aquele fanatismo que quer “acabar com essa raça (de petistas)”, que lamentou a doença não matar o adversário e que lamentou o avião de Dilma não cair. São pessoas graduadas e cheias de pompa, que pagam seus impostos mas que, ao se depararem com a derrota, não hesitam em ceder à barbárie, saindo da disputa política pela tangente da violência. Sobra covardia aos que se esconderam atrás da desconversa: “ah, é só um louco”. Não. “Só” um louco não é. Pode ser que seja louco. Mas é uma pessoa que fez algo próximo daquilo que pais de família, deputados e apresentadores de TV clamam todos os dias por ser feito, irresponsavelmente, do conforto de suas poltronas.

Imagine o preço de mostrar à sociedade brasileira, com o didatismo de uma potencial tragédia, quem são os verdadeiros fanáticos, quem são os verdadeiros “custe o que custar” na atual conjuntura do país. Ninguém quer posar ao lado de um terrorista, e essa foi a grande saia justa. Com medo de associar o ato condenável ao próprio time, preferiram desmontar o fato.

Em 1989, a mídia construiu a cena. Em 2014, ela desconstrói. No aniversário de 25 anos da democracia, os grandes meios de comunicação do Brasil vem mostrar que continuam preferindo confundir a informar.

—–

Caetano Patta é sociólogo formado pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Tags:,

Categorias: Opinião, Política, Sociedade

Conecte-se

Assine nosso feed RSS e nossos perfis sociais para receber atualizações.

Nenhum comentário ainda.

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: